Estratégia de nuvem da HP passa por legado e crença no mundo híbrido

 

Executivos da fabricante afirmam que plataforma Helion tem comprovado bons resultados na migração de sistemas legados sem necessidade de rescrevê-los, diferentemente do que acontece com nuvens públicas

 

 

Num mundo que caminha para uma economia digital estabelecida e onde tudo fica meio parecido, as fabricantes de tecnologia têm quebrado a cabeça para mostrar diferenciais que possam convencer os clientes a promover grandes investimentos. E isso não é diferente com a HP. A companhia vem traçando ao longo dos últimos anos uma trajetória interessante em computação em nuvem com investimento em padrões abertos e foco pesado onde a concorrência aparentemente deixou um vácuo: migração de sistemas legados e infraestrutura híbrida.

 

Não que a concorrência não se preocupe com aplicações legadas, mas o esforço da HP tem sido no sentido de facilitar as migrações de tal maneira que um sistema rodando em infraestrutura antiga e tradicional não tenha necessidade de ser rescrito para rodar em uma arquitetura de nuvem. “Somos diferentes das demais empresas de cloud computing porque nos preocupamos muito com as aplicações e suas migrações. A maioria dessas aplicações não foi pensada para cloud e não podem ser levadas com facilidade para a nuvem da Amazon, mas podem para a da HP”, argumentou Bobby Patrick, líder de cloud marketing para a linha HP Helion, plataforma que encabeça a estratégia da fabricante nesse ambiente.

 

Ele entende que o investimento feito pela companhia ao longo dos últimos anos acaba por colocar a HP em posição confortável nesse cenário. E esse sentimento vem por diversos motivos, sendo os mais simples esse foco em migração de aplicações legadas, no desenvolvimento de uma nuvem privada e também no poder de orquestração de múltiplos ambientes, ou seja, no gerenciamento desse mundo de infraestrutura híbrida. Como a companhia integra a federação OpenStack, isso acaba sendo outra facilidade, já que, com padrões abertos, um cliente não tem grandes dificuldades em encontrar parceiros em diversas partes do mundo para complementar seus projetos.

 

Diversas consultorias apontam que a maioria das empresas irá conviver com ambientes híbridos nos próximos anos e diante desse cenário, é preciso se preparar, tanto em termos de gerenciamento, quanto de orquestração para que todo fluxo de informação seja transparente para o usuário, não importa qual ambiente esteja em uso naquele momento.

“Todo mundo tem aplicações legadas no data center e muitas são parte essencial da estratégia corporativa, mas para seguir com sucesso no futuro é preciso modernizar a estrutura para garantir escala e eficiência necessárias”, pontuou Antonio Neri, vice-presidente de Enterprise Group da HP, ao falar na sessão de keynote do Discover 2015, principal evento da fabricante para clientes e parceiros que acontece em Las Vegas (EUA).

 

Para chegar a essa infraestrutura moderna, os executivos afirmam que a plataforma Helion está mais bem posicionada que a concorrência. Quando questionado sobre os motivos pelos quais um CIO deveria optar pela HP em detrimento dos competidores, Patrick foi taxativo ao dizer que a companhia consegue comprovar resultados necessários, principalmente nesse ambiente de busca por redução de custo e mais eficiência.

“Provamos que conseguimos levar uma aplicação desenvolvida e rodando na TI tradicional para um ambiente moderno e gerando redução de custo na base dos 30% a 40% apenas com essa mudança”, revelou, para completar: “Muitas grandes companhias gastam boa parte dos seus orçamentos de TI para fazer a manutenção de sistemas e infraestruturas legadas, então, se pudermos migrar esses sistemas para uma plataforma moderna, você reduz um custo bastante importante.”

 

Cloud System 9
Não é novidade que em diversas partes do mundo os CIOs têm sido pressionados para gerar mais valor, reduzir custo e ser mais flexível. A inflexibilidade trava o empreendedorismo interno como lembrou Meg Whitman, CEO da HP, e abre espaço para a falta de controle e a proliferação da temida Shadow IT. E o que a HP tenta mostrar com seu discurso é que conseguiu, em meio a concorrência forte, desenvolver uma estratégia para que empresas tradicionais e que precisam da eficiência do modelo de nuvem possam fazer essa migração com sucesso.

 

Durante o Discover, como parte da estratégia com a plataforma Helion a fabricante anunciou o HP Helion Cloud System 9, que além de, obviamente, adicionar funcionalidades, vem com a missão de simplificar ainda mais a jornada para a nuvem. Com a consciência de que o mundo conviverá com múltiplas nuvens e ganhará mais clientes aquele que melhor permitir uma orquestração e gerenciamento de distintas instâncias, a plataforma suporta diversas tecnologias e ambientes como AWS, Microsoft Azure, OpenStack e VMware. Entre os hypervisors, a plataforma trabalha com o Hyper-V da Microsoft, Red Hat KVM e VSphere da VMware. Outro ponto forte é um setup intuitivo entregue como aplicação virtual e que permite instalações em poucas horas.

 

“Se você observar, a estratégia da HP tem um componente de trabalhar fortemente a infraestrutura híbrida e o mundo conviverá com diversas nuvens trabalhando em conjunto. Nossa plataforma prevê isso e vem com uma camada de automação para que a orquestração seja uma realidade. Shadow IT, falta de controle, as pessoas usam Dropbox e os CIOs não conseguem controlar porque não têm uma oferta parecida para bloquear isso. Com uma plataforma de nuvem como a Helion, ele passa a ter a possibilidade de criar um serviço para que o usuário possa trocar conteúdo de maneira segura e controlada com a mesma facilidade de um serviço como Dropbox”, defendeu Patrick.

Fonte: http://itforum365.com.br/noticias/detalhe/115974/estrategia-de-nuvem-da-hp-passa-por-legado-e-crenca-no-mundo-hibrido

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *